Clubes de investimento: guia rápido

0
Guia clubes investimento

Pouco comentado no mercado financeiro nacional, os clubes de investimento podem ser uma boa ferramenta de exposição à renda variável. Ao contrário do que muitos pensam, os clubes de investimento podem ser uma opção interessante, tanto para investidores iniciantes, quanto para os mais experientes.

Regulamentados pela CVM, os clubes de investimento contam com número mínimo e máximo de participantes. Além disso, seus cotistas devem seguir algumas regras em relação aos produtos nos quais investem. Por tais razões, é extremamente importante que se busque informação antes de realizar a abertura de um clube.

O que são clubes de investimento?

Clubes de investimento nada mais são do que uma comunhão de recursos entre pessoas físicas para aplicação em títulos e valores mobiliários. O agrupamento destes investidores através de clubes de investimento proporciona maior volume de capital para investimento, facilitando a diversificação entre diferentes empresas e setores da economia, com custos de transação proporcionalmente menores.

Como funcionam os clubes de investimentos

Por determinação da CVM, clubes de investimento devem ser formados por, no mínimo, 3 participantes e, no máximo, 50, sendo que ninguém poderá ter mais que 40% do total do patrimônio do clube. Entre os participantes dos clubes de investimento, será necessário eleger o responsável pela gestão do clube. Ou seja, aquele cotista que vai tomar as decisões de compra e venda de determinado ativo.

Além disso, não são necessárias certificações para que determinado cotista possa realizar a gestão do clube de investimento. Entretanto, é recomendável que a gestão seja feita pelo cotista com maior experiência e/ou conhecimento sobre o mercado de capitais. Desta forma, os demais cotistas com menor experiência se beneficiam do trabalho do gestor, já que a variação percentual das cotas do clubes ocorre de igual forma para todos os participantes.

Os clubes de investimento precisam ter, no mínimo, 67% do patrimônio líquido investido em:

  • Ações;
  • Bônus de subscrição;
  • Debêntures conversíveis em ações, de companhias abertas;
  • Recibos de subscrição;
  • Cotas de fundos de índices de ações negociados em mercado organizado; ou
  • Certificado de depósito de ações.

O montante restante, que exceder o percentual mínimo de 67%, poderá ser investido em:

  • Outros valores mobiliários de emissão de companhias abertas;
  • Cotas de fundos de investimento de classe curto prazo, referenciado ou renda fixa;
  • Títulos públicos federais;
  • Títulos de responsabilidade de instituições financeiras; e
  • Compra de opções.

Post: Ações: o que são e como funcionam?

Além disso, é permitido aos clubes de investimento realizar operações com:

  1. Contratos futuros de ações e índice de ações;
  2. Operações a termo;
  3. Venda de opções cobertas; e
  4. Empréstimos de ações.

Vantagens

Uma das principais vantagens dos clubes de investimento está na tributação. O recolhimento do Imposto de Renda é realizado somente no momento de resgate das cotas, na alíquota mínima de 15%. O participante do clube nem precisa se preocupar em preencher DARF, já que o Imposto de Renda é recolhido automaticamente pelo administrador do clube.

Desta forma, não haverá incidência de Imposto de Renda quando a liquidação da operação realizada através do clube de investimento gerar lucro, criando, assim, uma interessante vantagem tributária que pode ser explorada tanto para clubes de perfil holder quanto para clubes de perfil trading.

Como montar clubes de investimento?

Ao contrário do que se imagina, o procedimento é bastante simples. Você basicamente precisa reunir o grupo de investidores e definir o valor mínimo de aporte de cada participante. Posteriormente, basta procurar uma instituição financeira para atuar como administradora do clube de investimento (corretora, distribuidora, banco de investimento ou banco múltiplo).

newsletterEstatuto Social

Será necessário elaborar o Estatuto Social do clube, além de realizar o registro no cartório e na B3. A instituição administradora poderá auxiliar na elaboração do estatuto e cuidará de toda a parte burocrática.

Na JB3 Investimentos, assessoramos vários clubes de investimento com o apoio da administração da XP Investimentos. Utilizando um simples questionário, é possível identificar os principais parâmetros para construção do Estatuto Social. Com o questionário aprovado, é solicitado aos cotistas fundadores assinatura do termo de constituição do clube. Posteriormente, a XP Investimentos realiza o registro do clube no cartório e na B3. Finalizada a parte burocrática, o clube está liberado para realizar os investimentos no mercado de capitais.

Operações

As operações de compra e venda de ativos são feitas pelo gestor do clube através do Home Broker e/ou plataforma de investimentos (portal ou mobile), proporcionando maior praticidade. Relatórios de análise são disponibilizados gratuitamente pela equipe de research da XP, auxiliando o gestor do clube no acesso à informação de qualidade, tomadas de decisões, entre outros. Já os procedimentos de liberação diária do preço da cota do clube, controle de enquadramento, contabilidade, entre outros, são feitos pela XP Investimentos.

A qualquer momento, os atuais cotistas do clube de investimento poderão realizar novos aportes ou solicitar resgates. O procedimento cadastral para entrada de novos cotistas no clube de investimento também é bastante simples, assessorado pela JB3 Investimentos.

Quer saber mais sobre Clube de Investimentos? Converse com um de nossos Assessores de Investimento clicando aqui!

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of