A volta do feriado de Carnaval foi tensa no mercado financeiro brasileiro em função do Coronavírus.

No entanto, sem sofrer os impactos que as bolsas ao redor do mundo sofreram na Segunda e Terça-feira, o impacto veio todo na Quarta-feira (26/02). O Ibovespa teve o pior pregão desde o “Joesley Day”, há quase 3 anos.

A queda das Bolsas de Valores

O maior índice da Bolsa de Valores do Brasil sofreu uma queda brusca de 7% no primeiro pregão pós-Carnaval.

A folia acabou depois da confirmação de novos casos do Coronavírus fora da China. Mais casos no Japão e Coréia do Sul. Novos Casos na Itália, França e Alemanha. Uma possível disseminação do vírus nos Estados Unidos. No Brasil, tivemos o primeiro caso confirmado no dia de ontem (26/02).

S&P 500, Dow Jones e Nasdaq bateram recordes nas últimas semanas, entretanto, com a notícia relacionada ao Coronavírus, os ganhos começaram a diminuir à medida que o mundo foi impactando pelo crescimento dos casos confirmados fora da China.

O Brasil não sofria uma correção dessa, desde o “Joesley Day“, onde o índice caiu 8,8% no dia 18 de maio de 2017.

Correções da Bolsa de Valores

Correções como essa, de queda acentuada, ocorrem após uma sequência de altas (em momentos de otimismo/Bull Market), como tivemos no final de dezembro de 2019. Deste modo, essas quedas são fortes, normalmente acompanhadas de muitas notícias ruins e que assustam o mercado e os investidores.

Grandes correções do Ibovespa:

2001: Ataque terrorista – 11 de setembro

2008: Crise Imobiliária nos EUA

2017: Joesley Day

2020: Coronavírus

Maiores quedas do Ibovespa desde 2015:

26/02/2020 | -7,00%

06/02/2019 | -3,74%

28/05/2018 | -4,49%

18/05/2017 | -8,80%

02/02/2016 | -4,87%

13/10/2015 | -4,01%

blog post ETF

Impactos do Coronavírus

Além de derrubar as bolsas de valores ao redor do mundo, o vírus também impactou nos ETFs, ADRs, títulos do tesouro americano, Dólar (que atingiu seu maior valor nominal da história: R$4,50) e na cadeia de suprimentos de forma global, gerando paralisação de algumas atividades nos países.

Sendo assim, no curto prazo, é possível que os preços das ações brasileiras ligadas à economia global continuem pressionadas, como empresas de commodities (Suzano e Vale), frigoríficos exportadores (JBS, BRF e Marfrig), companhias aéreas e de turismo (Golz, Azul e CVC).

Por exemplo, as companhias aéreas, Gol e Azul, cairam 14,31% e 13,3%, respectivamente. Já a CVC obteve queda superior a 11%.

Outro exemplo é a Apple, que afirmou que não irá alcançar sua meta de receita em função do Coronavírus, por exemplo.  o Comitê Olímpico Internacional está de olho na disseminação do Vírus e a ideia de cancelar as Olimpíadas não está descartada.

Bolsas Globais

gráfico das bolsas: S&P500, MSCI World e STOXX 600 Europe

Fonte: XP Investimentos

E agora?

O Centro de Ciência e Engenharia de Sistemas da Universidade Johns Hopkins criou um mapa monitora o avanço mundial da Covid-19, doença causada pelo coronavírus. Acesse o mapa clicando aqui.

Alguns países como Rússia, Israel, China e Estados Unidos, buscam desenvolver uma vacina contra o Covid-19 o quanto antes.

Portanto, resta aguardar e continuar monitorando a disseminação e impactos do Coronavírus ao redor do mundo.

Quer saber mais sobre os impactos do Coronavirus sobre os seus investimentos? Converse com um de nossos Assessores clicando aqui!

Abra sua conta!

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Comentário
Nome