Pressão geral para novos cortes na taxa Selic

0
Cortes na taxa Selic

Em comunicado divulgado ao mercado na última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), realizada nos dias 17 e 18 de março, o Banco Central deixou claro que a atual conjuntura prescreve cautela na condução da política monetária, acrescentando, ainda, que neste momento vê como adequada a manutenção, com novos cortes na taxa Selic no patamar de 3,75% ao ano.

Cautela?

Apesar de as projeções de inflação na última reunião do Comitê estarem bem favoráveis (próximo de 3%), a postura mais cautelosa com os próximos passos da política monetária creditou certa relevância às frustrações com relação à continuidade das reformas. Entretanto, este fator pode estar perdendo força neste momento.

A resposta à crise do coronavírus arrebentou com o fiscal.

A última estimativa do IFI (Instituto Fiscal Independente) aponta para um endividamento alcançando 100% do PIB em 2030. Não há mais perspectiva de sustentabilidade das contas públicas no longo prazo, considerando o custo de rolagem atual.

Novos cortes na Taxa Selic

Existe claramente, portanto, uma nova força para que a taxa Selic possa continuar caindo e continue muito baixa por alguns bons anos. Desta forma, o Brasil conseguiria comprar tempo com o mercado até começar tentar desarmar a bomba fiscal que poderá estourar no longo prazo.

Será conveniente cortar não somente a taxa Selic, mas também adotar a estratégia de redução das taxas de juros futuros longas, o que mantém o mercado aberto para empresas e governos continuarem captando recursos.

A meta de controlar os juros longo é utilizada atualmente por vários outros banqueiros centrais mundiais, incluindo as três potências monetárias: FED (Federal Reserve – Banco Central dos Estados Unidos), BoJ (Bank of Japan) e BCE (Banco Central Europeu).

Pressão externa para novos cortes

A segunda fonte expressiva de pressão para novos cortes na taxa Selic vem da própria economia. Na última semana, tanto o FMI (Fundo Monetário Internacional), quanto o Banco Mundial, divulgaram suas respectivas perspectivas para o PIB do Brasil em 2020.

Ambas as instituições estão com projeções alinhadas em torno de uma recessão histórica de 5% neste ano.

Aliado ao cenário base de contração muito aguda da atividade, as estimativas mais recentes do mercado para a inflação este ano são muito baixas. Para 2020, o levantamento mais recente do Boletim Focus aponta para um IPCA de apenas 2,23% número que, se confirmado, ficaria até mesmo abaixo do piso mínimo da política de meta de inflação para este ano.

A inflação extremamente baixa, com um histórico favorável dos últimos anos, pode permitir que o Banco Central estude atuações ainda mais firmes de afrouxamento monetário.

A terceira fonte de pressão (ou influência) vem dos demais banqueiros centrais mundiais. Todas as autoridades monetárias estão cortando suas respectivas taxas de juros desde o início da pandemia e cada vez mais bancos centrais alcançam o nível de juros zero. Nesta semana, a China anunciou seu segundo corte em sua taxa de juros referencial de empréstimo desde o início do surto do coronavírus.

Saiba como os cortes na Taxa Selix impactam em seus investimentos. Converse com um Assessor de Investimentos clicando aqui. É gratuito!

Exemplos

Alguns casos emblemáticos de países emergentes, vulneráveis, altamente endividados ou em conflitos geopolíticos começaram a surgir. A Hungria, por exemplo, com um longo histórico de graves problemas com o endividamento local, opera neste momento com taxa de juros simbólica de 0,90% ao ano.

Na Arábia Saudita, a taxa de juros caiu para 1% ao ano.

Na Austrália e Nova Zelândia os juros já estão em 0,25% ao ano. A Coreia do Sul, mesmo demonstrando certa eficácia no controle da pandemia, opera com juros de 0,75% ao ano. No Chile, a taxa básica de juros cedeu para 0,50%. Em Israel a taxa de juros também se tornou apenas um simbolismo, aos 0,1% ao ano.

A próxima reunião do Banco Central do Brasil ocorrerá nos dias 5 e 6 de maio. Considerando todos os pontos elencados acima, existe expectativa de novidades em nossa política monetária.

Abra sua conta!

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Comentário
Nome