Em função dos diversos estímulos dos banqueiros centrais ao redor do mundo, como o FED, a precificação do mercado quanto à retomada da normalidade nas principais economias globais parecia um pouco exagerada pelo desempenho dos ativos de risco nas últimas semanas.

Vários índices acionários de países desenvolvidos e emergentes tinham recuperado boa parte das perdas sofridas na primeira onda da crise do coronavírus. Alguns mercados estavam quase se aproximando novamente de suas respectivas máximas históricas, a exemplo do que se observava em Wall Street.

Fim do entusiasmo

A euforia da retomada terminou com o mesmo driver que a criou.

As estratégias agressivas de afrouxamento monetário praticadas pelos banqueiros centrais, puxadas principalmente pelo FED (Federal Reserve – Banco Central dos Estados Unidos), viraram os mercados rapidamente de bearish para bullish.

Nesta última quarta-feira, as projeções sombrias do próprio FED podem ter relembrado vários players de mercado da realidade extremamente delicada do momento, voltando a criar sentimento bearish.

A expectativa da autoridade monetária norte-americana para o PIB deste ano foi atualizada para uma forte contração de 6,5%. Para 2021, espera-se um crescimento de 5%, insuficiente para repor toda a perda de riqueza esperada para este ano.

As projeções para a taxa de desemprego revelam o tamanho do delay da recuperação econômica.

O que o FED espera para os próximos anos?

Para 2020, o FED espera um desemprego de 9,3%. Em 2021, o Banco Central dos Estados Unidos prevê um desemprego ainda elevado, aos 6,5%. Em 2022, a projeção de desemprego recua para 5,5%, ainda em patamar considerado alto, principalmente quando comparado aos números mais recentes antes da pandemia.

Além dos indicadores preocupantes de desemprego, a inflação tende a ficar abaixo e distante do centro da meta de 2% ao ano, o que pode criar um risco adicional de deflação ao quadro macroeconômico. Para este ano, o FED espera uma inflação de apenas 0,80%.

Ações do FED, BCE e outros bancos centrais

Banqueiros centrais de países desenvolvidos, principalmente BCE (Banco Central Europeu) e FED, tem feito o possível nos últimos anos para evitar que suas economias caiam em deflação, com receio de repetir o case observado no Japão décadas atrás.

Neste cenário de inflação muito baixa, desemprego elevado e PIB fraco, o FED ressaltou que não pretende subir a FFR (Federal Funds Rate – taxa básica de juros norte-americana) para acima de zero até pelo menos 2022. Além disso, os programas de compras de ativos extremamente volumosos serão mantidos até que a economia volte aos trilhos.

gráfico pontos FED
Gráfico pontos FED

O gráfico de pontos do FED acima revela bem a imagem desta crise atual.

Juros zero até quando?

Nunca antes na história a quase totalidade dos membros do Comitê projetaram juros zero por mais de dois anos consecutivos, combinado, ainda, com a promessa de manter os programas de compras de trilhões de dólares, responsáveis por elevar o balanço da autoridade monetária para novo nível recorde.

As projeções divulgadas pelo FED fizeram muito barulho no mercado global justamente por serem os primeiros números divulgados desde o início da pandemia. A diferença com a estimativa anterior da autoridade monetária, feita antes da crise, é absurdamente gritante, o que mostra como o quadro para as economias e os mercados podem mudar rapidamente.

Essas mudanças bruscas de humor e cenário estão se tornando cada vez mais frequentes e podem ser uma característica relevante a ser considerada para os próximos anos, bem diferente do dinamismo da última década (longo período bullish ininterrupto), o que inevitavelmente exigirá dos investidores mais dinamismo nas alocações de portfólio.

Quer saber mais sobre como o cenário macroeconômico impacta em seus investimentos? Fale com um de nossos assessores clicando aqui!

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Comentário
Nome