Hoje, com a poupança em taxa mínima histórica, cada vez mais os brasileiros vêm buscando a renda fixa como opção para abandonarem a poupança e darem os primeiros passos para investirem seu patrimônio em algo realmente rentável e com menos risco.

Mas na hora de tomar essa decisão, de migrar da poupança para um investimento mais vantajoso, o investidor precisa saber que existem opções seguras, com liquidez e bons rendimentos ao longo prazo na renda fixa e que não precisa necessariamente migrar da poupança diretamente para a renda variável.  Essa decisão deve ser tomada levando em conta o seu perfil de investidor.  

Características da renda fixa

A principal característica de um investimento em renda fixa é que os rendimentos já são conhecidos pelo o investidor na data da aplicação. Investimentos de renda fixa são geralmente atrelados a um índice, que pode ser, por exemplo, a taxa Selic, o IPCA (inflação) ou ainda o CDI (certificado de depósitos interbancários).

Em geral, esses investimentos são seguros, pois podem ter o FGC (Fundo Garantidor de Créditos) como garantia ou o governo no caso dos Títulos Públicos. Além disso, produtos financeiros com rendimentos fixados são boas opções, especialmente para o longo prazo. Os títulos de renda fixa costumam ter alta liquidez, que se refere ao potencial que um ativo ou investimento tem de ser convertido em dinheiro. Diversos produto de renda fixa têm a liquidez alta pelo grande volume de operações.

Os exemplos abaixo são investimentos de renda fixa com boa rentabilidade, liquidez e sobre os quais não incide imposto de renda. 

  • Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) e Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA): são emitidos por companhias securitizadoras e não são assegurados pelo FGC, mas os investidores podem ter garantias específicas referentes às suas operações. Clique aqui!
  • Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e Letra de Crédito do Agronegócio (LCA): podem ser pré ou pós-fixadas, são seguradas pelo FGC e mais adequadas a aplicações de longo prazo; Clique aqui!

Além do LCI, LCA, CRI e CRA temos o CDB, Debêntures e o Tesouro direto como opções de investimento de renda fixa. 

CDB

O Certificado de Depósito Bancário é um título de renda fixa extremamente seguro.

Ele funciona como um empréstimo do investidor para as instituições, já que é emitido pelos bancos como forma de captação de recursos com o objetivo de financiar suas atividades. Em troca desse empréstimo a instituição, depois do prazo acordado, devolve o dinheiro corrigido com os juros. Clique aqui!

Debêntures

Já a debênture é uma forma de emprestar dinheiro para empresas e assim receber juros maiores do que em títulos de instituições financeiras.

Na escritura de emissão da debênture são especificados o tipo de rendimento (prefixado ou pós-fixado), as taxas, o investimento mínimo, o vencimento e as garantias que variam conforme o papel e devem ser analisadas com atenção, já que esse tipo de investimento não possui a proteção do Fundo Garantidor de Créditos.

Na escritura da emissão da debênture também são descritos todos os detalhes do título, como possibilidade de conversão em ações, participação nos lucros, tipos de garantias oferecidas, entre outros. Clique aqui!

Tesouro Direto

O Tesouro Direto é um programa do Tesouro Nacional desenvolvido em parceria com a B3 para venda de títulos públicos federais para pessoas físicas.

Tem o menor risco do mercado e oferece títulos com diferentes tipos de rentabilidade (prefixada, ligada à variação da inflação ou à variação da taxa de juros básica da economia – Selic), diferentes prazos de vencimento e também, diferentes fluxos de remuneração. Clique aqui!

Fundos de renda fixa

Uma opção bastante indicada para investidores iniciantes ou conservadores, são os fundos de investimento de renda fixa. Na prática, a maioria dessa categoria de fundos possui, no mínimo, 80% de aplicações em renda fixa. Assim, existe a possibilidade de os outros 20% serem derivativos.

Além disso, seu rendimento é sempre comparado com o CDI.

Essa categoria de fundo de investimento é controlada por um gestor especializado, que deve gerir seu investimento da melhor forma possível, tendo como objetivo entregar um bom rendimento, com um baixo risco. Esse gestor controla a venda e compra de ativos da sua carteira, buscando obter a melhor rentabilidade para seus investidores.

Para investir em um fundo, você precisa adquirir partes deles, as chamadas cotas. Ele conta com a incidência do IOF, Imposto de Renda, taxa de administração e, em alguns casos, taxa de performance.

Os fundos de renda fixa em geral são seguros e rentáveis, basta que o investidor procure o fundo com os menores custos e boas aplicações. Se caso ocorrer a quebra de uma instituição que mantém um fundo de investimento de renda fixa, normalmente a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) transfere sua gestão para outra instituição, que segue com as operações dele.

Conclusão

É preciso lembrar que na renda fixa, o lucro aumenta de acordo com o tempo pelo qual a aplicação é mantida. Por esse motivo a possibilidade de ganhos expressivos no curto prazo é pequena. Além disso, fazer um resgate antes do vencimento pode significar perda de rentabilidade.

Todo investidor deve ter planejamento financeiro e objetivos definidos para diferentes prazos. Como os produtos de rentabilidades fixadas geralmente são melhores para o longo prazo, são excelentes opções de investimentos rentáveis e previsíveis que se encaixam aos objetivos mais distantes.

Se você se interessou por essa modalidade de investimento, converse com um dos nossos assessores de investimentos clicando aqui!

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Comentário
Nome