fbpx
terça-feira, 11 maio 2021
Home Investimentos Fundos de Investimentos FIA e Ações: qual a diferença e onde investir?

FIA e Ações: qual a diferença e onde investir?

0

Após uma queda histórica na nossa taxa básica de juros, o mercado já começa a precificar um retorno gradual para a mesma. O Boletim Focus desta semana já prevê uma SELIC em 5% até o final de 2021. Entretanto, a diversificação em ativos de Renda Variável ainda se faz necessária em busca de melhores retornos. Duas formas bastante comuns de conseguir este retorno é por meio de investimentos em fundos de ações (FIA) e ações.

Entretanto, ao iniciar no mundo dos investimentos, muitos investidores têm dificuldade ao entender as diferenças entre comprar ações diretamente na bolsa de valores e fazer aplicações via fundo.

Assim, o objetivo desse post é esclarecer quais as diferenças entre essas duas formas de investir, bem como as vantagens e desvantagens de cada uma, de forma a auxiliar você no processo de escolha.

O que são ações?

Ações nada mais são do que frações de empresas, as quais são negociadas diariamente na Bolsa de Valores. Basicamente, para ter acesso a elas, é necessário que você tenha uma conta aberta em uma corretora. Assim, terá acesso ao home broker, podendo fazer a compra direta dessas ações.

Home Broker: conheça a ferramenta para investir em ações - XP Investimentos
Home Broker – XP Investimentos

Nesse artigo, você entenderá melhor como funciona um home broker.

O que é um Fundo de Investimentos de Ações (FIA)?

Já nos investimentos por meio dos FIA, não é necessário fazer a compra de ativos diretamente na Bolsa de Valores. Nesse caso, o investidor faz aplicações nos fundos, por meio da plataforma de investimentos da sua corretora.

O Fundo conta com um gestor, administrador, analistas, enfim, toda uma equipe responsável por fazer a gestão daquele fundo. Nesse caso, são eles que fazem as escolhas a respeito das empresas que o fundo vai investir, de modo que o investidor não precisa se preocupar com nada.

Na mesma medida em que não possui nenhum poder de gestão ou opinião em relação às posições assumidas pelo fundo, o investidor também não tem nenhuma questão operacional para se preocupar. 

Basicamente, ele é um instrumento de investimento coletivo, no qual diversas pessoas aplicam seus recursos, delegando suas decisões à uma equipe especializada. Por determinação da Anbima, esses fundos devem manter, no mínimo, 67% do seu patrimônio em ativos de Renda Variável, sendo que o restante pode ser aplicado em renda fixa, juros, moedas ou até mesmo outros fundos.

Gestão do FIA

Os fundos de ações podem ter uma gestão ativa ou passiva.

Nos fundos de gestão passiva, o objetivo do fundo consiste em replicar as variações de um determinado índice, como o Ibovespa. Estes fundos costumam ter taxas mais baixas do que aqueles de gestão ativa. Isso porque, os fundos de gestão ativa objetivam uma rentabilidade maior que determinado índice de referência. Nos fundos de ações do Brasil, via de regra, o índice utilizado para comparação é o Ibovespa.

Agora que já compreendemos como que funciona cada uma das formas de aplicação, podemos analisar suas principais diferenças:

Tributação de FIA e Ações

FIA: A tributação dos FIAs é de 15% sobre o rendimento das aplicações. Diferentemente dos fundos de Renda Fixa e Multimercados, os Fundos de Ações não têm a antecipação do Imposto de Renda nos meses de maio e novembro, o chamado “come-cotas”.

Ações: Já na compra e venda direta de ações, existem algumas regras a mais em relação à tributação. Primeiramente, teremos que diferenciar as operações com ações em day trade e swing trade.

Day trade = comprar e vender uma ação no mesmo dia

Swing trade = manter uma posição aberta em ações por mais de um dia. Ou seja, a compra e venda não pode ocorrer no mesmo dia.

Isenção dos R$ 20 mil reais

A primeira regra diz respeito à isenção de pagamento de Imposto de Renda para os investidores que vendem ações no limite de R$ 20 mil reais em um mesmo mês. Ou seja, se você vendeu este valor ou menos não precisará pagar imposto de renda, independentemente do lucro auferido.

Entretanto, essa isenção NÃO se aplica às operações de day trade, sobre as quais sempre deverá ser pago o IR quando houver lucro.

Swing Trade

Sobre as operações de swing trade que excederem o limite de isenção, haverá a incidência de IR na alíquota de 15% sobre o lucro auferido.

Além disso, também será retido diretamente na fonte o valor de 0,005%. Esse valor é utilizado pela Receita Federal como uma referência para saber qual valor está sendo negociado e quanto de lucro deverá ser tributado futuramente. Além disso, no momento de calcular o imposto devido, essa porcentagem deverá ser descontada.

Day Trade

Além de não contar com o limite de isenção, o day trade tem também alíquota mais alta de IR. O IR retido na fonte fica em 1% (devendo também ser descontado no cálculo do valor devido) e a alíquota passa para 20%.

Além disso, o cálculo do valor devido deve ser feito pelo próprio investidor, por meio das notas de corretagem. Existem também algumas calculadoras online que podem auxiliar bastante nesse processo de apuração.

Deve-se ter especial atenção com a compensação de prejuízos. Caso você tenha prejuízo em algum mês, além de não precisar pagar imposto, também poderá abater esse prejuízo do imposto devido no mês seguinte, caso tenha lucro.

Caso o investidor opte por contratar uma calculadora online, ela mesma gerará a DARF para pagamento. Caso contrário, o código para emitir a DARF é 6015 e esta operação pode ser feita em qualquer banco.

A data limite para o pagamento da DARF é sempre o último dia útil do mês seguinte à venda das ações. Ou seja, se você teve R$ 15.000,00 de lucro em fevereiro, tem até 31 de março para fazer o pagamento da DARF.

Custos de investir em FIA e Ações

FIA: Via de regra, os Fundos de Ações contam com duas taxas distintas, a de administração e a de performance, sendo comum que seus valores sejam de 2% e 20% respectivamente. Entretanto, isto não é uma regra, podendo variar a depender do fundo.

A taxa de administração consiste no valor que o investidor paga para ter uma equipe especializada gerindo os seus recursos. Ou seja, basicamente é o custo da prestação de serviço por parte daquele fundo.

Apesar de ser um percentual anual, ela é descontada diariamente e de forma automática.  Além disso, ainda que a rentabilidade do fundo seja negativa, o investidor arcará com a taxa de administração.

Já a taxa de performance só é cobrada se a rentabilidade do fundo exceder determinado benchmark, como o Ibovespa, por exemplo. Ou seja, sempre que a taxa de performance for paga, é porque o fundo apresentou um desempenho melhor do que determinado índice de referência. Assim, acaba funcionando como uma motivação a mais para os gestores do fundo, fez que impacta diretamente em sua remuneração.

Ações: Para operar ações na Bolsa de Valores, há a incidência de algumas taxas, conforme na tabela abaixo apresentada no site da própria B3:

Além disso, há também a incidência de corretagem, que é um percentual pago pelo cliente à Corretora de Valores a cada compra e venda de ativos. Esse valor pode variar a depender da corretora que o cliente utiliza e também se as operações são feitas diretamente pelo cliente ou via Mesa de Renda Variável.

Nas operações via Mesa RV, é comum que as corretoras apliquem os percentuais sugeridos pela Tabela Bovespa:

Ou seja, de acordo com o volume operado no dia, incidirá determinado percentual +  a cobrança de um valor fixo.

Já nas compras feitas diretamente pelo cliente via home broker, há uma taxa de corretagem fixa que varia de acordo com cada corretora.

Prazo de resgate (liquidez)

FIA: Os fundos de ações costumam ter prazos mais longos para resgate, em torno de 30 dias, mas esse tempo varia de acordo com cada fundo. Nesse sentido, é muito importante que o investidor se atente tanto ao prazo de cotização, quanto ao de liquidação, que juntos totalizam o prazo de resgate daquele fundo.

Essas informações sempre devem ser informadas previamente no regulamento do fundo ou na própria plataforma de investimentos.

Importante: Antes de fazer aplicações mais longas, certifique-se que você conta com uma reserva de emergência com fácil acesso e baixa volatilidade!

Ações: Em apenas 2 dias, após a venda das ações, você já terá o valor em caixa para resgatar ou realizar novas operações. Após realizar a venda das ações, o valor entrará no seu saldo na conta da corretora.

Essas são as principais diferenças entre investir diretamente em ações e fazer por meio de fundos de investimento. Não existe melhor ou pior opção, mas sim a que mais vai ao encontro dos seus objetivos, disponibilidade e interesse no mercado de ações.

Se quiser entender melhor, não deixe de marcar uma conversa comigo. Até o próximo post!

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Comentário
Nome