fbpx
terça-feira, 11 maio 2021
Home Investimentos Renda Variável Operações Estruturadas: você já ouviu falar sobre?

Operações Estruturadas: você já ouviu falar sobre?

0

Respondendo pergunta que intitula este artigo: as operações estruturadas são todas e quaisquer operações que combinam dois ou mais ativos e são mais conhecidas no mercado de derivativos.

Simples? Talvez, mas continue lendo o artigo que vou te explicar melhor!

Como as operações estruturadas ajudam investimentos?

A montagem desta estrutura tem como principais finalidades:

1. Aproveitar as oportunidades e maximizar ganhos;

2. Proteger a carteira de investimentos, o chamado hedge.

3. Diversificação do portfólio.

A estrutura pode ser montada em investimentos em títulos de renda fixa, ações e operações com derivativos.

Inúmeras montagens podem ser combinadas, alguns exemplos são: travas de alta e de baixa; call1 e put2, spread3, strangle4, fence5, collar6, borboleta7, rolagem8, lançamento de opções, entre muitas.

Tipos de Operações Estruturadas

COE e RUBI são as operações estruturadas mais populares entre investidores(as). Falaremos a seguir um pouco mais sobre o que estas abreviações significam e como podem te ajudar nos investimentos.

Certificado De Operações Estruturadas

O Certificado De Operações Estruturadas [COE] tem na sua combinação, muitas vezes, títulos de renda fixa, ações e derivativos, conseguindo determinar o prazo do investimento, a rentabilidade e o grau de risco (geralmente muito baixo), o que torna a operação mais atrativa.

Return Under Barrier Investiment

Return Under Barrier Investiment [RUBI] é uma estratégia mais sofisticada que envolve uma estrutura com opções de ações. Essa estrutura permite ao investidor comprar uma ação e ter uma proteção contra quedas, ou seja, mesmo se os papéis se desvalorizarem, o investidor ainda sai lucrando.

Interessante, né?!

Como funciona na prática?

Durante toda a vida da operação, ou seja, até o vencimento, na hipótese da barreira previamente estipulada não ser atingida, o investidor recebe uma taxa pré-fixada de remuneração, chamado cupom.

Esta taxa deve ser atrativa e justificar seu risco, considerando o prazo da operação, afinal, o cupom será o prêmio deste investimento.

E em caso de atingimento da barreira, o que acontece?

Caso a barreira seja atingida, a qualquer momento da vida da operação, as opções da estrutura são desativadas e o investidor fica comprado no papel, participando da queda ou da alta integralmente da ação, sem mais o cupom.

Não há a necessidade de realizar possível prejuízo ou ter que aportar garantias. As ações ficam livres na sua carteira de investimentos.

Você poderá vender as ações no melhor momento, quando quiser!

Como operacionalizar?

Toda a montagem da estrutura das operações é feita pela mesa de renda variável da corretora, o seu assessor de investimentos vai te sugerir, caso seja compatível com o seu perfil de risco e explicar a operação, se fizer sentido para você.

Caso compatível, o assessor enviará uma ordem em seu celular, para aprovação da operação e poderá acompanhar tudo pelo app ou portal XP, simples, prático e transparente.

Ter uma operação estruturada RUBI significa ter menos volatilidade na rentabilidade da carteira comparado à compra direta em ações. Em outras palavras, a carteira “oscila menos”, minimiza os altos e baixos que fazem parte da renda variável, já que até o limite da barreira, sua taxa pré-fixada está garantida.

É uma boa forma também para quem quer começar a se expor em renda variável, sentindo os riscos de forma controlada e exponenciando os rendimentos, sempre de acordo com o seu perfil de investidor(a).

Exemplo de operação estruturada:

RUBI: operações estruturadas

Na operação mostrada como exemplo o ativo-objeto é a ação preferencial de Petrobras [PETR4].

O preço de referência será o preço de fechamento do ativo-objeto no pregão na data de entrada na operação.

O vencimento será em 01/12/2021

O cupom, que é a taxa pré-fixada de remuneração, é de 13,00%

A barreira, que é o limite de queda, é de 18,50%

Portanto, o cupom acordado será pago em qualquer lateralização ou oscilação do ativo, desde que não atinja a barreira durante toda a operação.

Se no vencimento a ação estiver caindo (-18,49%) e não tiver tocado na barreira, apesar desta queda o investidor ganhará os (+13,00%).

Importante!

A remuneração de 13,00% no período desta operação corresponde a mais de 450% do CDI (no mesmo período).

Entre em contato com a minha assessoria e conheça melhor as operações estruturadas!

1Opção de compra (Call): direito de compra de um ativo em uma data futura, a um preço predeterminado.

2Opção de venda (Put): direito de venda de um ativo em uma data futura, a um preço predeterminado.

3Spread refere-se à diferença entre o preço de compra e venda de uma ação, título ou transação monetária.

4Strangle é uma estratégia utilizada no mercado de opções a partir da compra de duas opções, uma opção put e outra opção call, com igual vencimento, mas com preços de exercício diferentes.

5A Fence é uma estrutura utilizada como proteção para o investidor que já possui um ativo, ou deseja comprá-lo com proteção. Nessa estrutura, o investidor garante uma defesa parcial da posição, geralmente a custo zero.

6O Collar é uma estrutura utilizada como defesa para o investidor que já possui um ativo, ou deseja comprá-lo com proteção. Nessa estrutura, o investidor garante uma proteção da posição, limitando, porém, seu ganho máximo na ação.

7A borboleta é uma estratégia de opções apostando na estabilidade da bolsa de valores, no caso de um mercado estagnado ou lateralizado, que não está permitindo trades ou investimentos apostando na queda ou na alta.

8A rolagem é quando você quer manter a mesma estratégia, que está ou não se aproximando do vencimento, em que você continua acreditando nela. Dessa forma, você pode passá-la para outro strike, mantendo o mesmo vencimento e estratégia ou você passa para o vencimento seguinte.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Comentário
Nome